quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A flor



Esquecida na prateleira fria                  
de uma antiga delegacia
eu vi uma flor.
Meio murcha, já enegrecida,
de pétalas caídas e sem vida,
misto de alegria e dor.





Onde estarão as mãos que a compraram,               
ou mesmo aquelas mãos que a roubaram
para a alguém ofertar ?
Onde estará pessoa tão singela,
que fez com que esta flor um dia pura e bela,
viesse estar aqui, neste lugar ?







Ali, na cúpula do dever,                     
que mãos teriam deixado a delicada flor.
Seria pra lembrar uma esperança,
ou um recado insinuante de amor ?



Prá mim, flor não combina com violência,   
e muito menos rosa, combina com prisão.
As pétalas abertas me lembram sim, as asas
de livres aves a voar na imensidão.






Enternecida foi minha alma debruçar-se   
sobre aquela flor abandonada e esquecida.
Seria ela o reflexo do vazio,
resto de um amor passado e já sem vida ?





Não importa o local, não importa o sentimento,
a alegria ou a dor que alguém sente.
O que importa na verdade: aquela flor
é sinal de que aqui, existe gente !!!








E gente é sinal de sentimento,                   
e sentimento se declara assim: com flor.
Onde tem flor já se sabe, ali tem gente.
Onde tem gente já se sabe, tem amor !!!






                     





sábado, 10 de setembro de 2016

Estações





Amo a Primavera com ardor,                    
pois ela, tão cheia de beleza,
faz-nos pensar bem mais no amor,
a Primavera estação princesa.







Já o outono eu respeito e admiro,                            
pois traz fartura e odoriza a natureza,
enriquece com sabor o ar que eu respiro,
a estação da bondade e da nobreza.









No Inverno, o frio gosto de curtir,                        
e  o ar carregado de graça e sutileza,
que une os corpos na ânsia do sentir,
o amor que emana de tanta singeleza.









                Já o verão retumbante de calor,
               do movimento do sol e com certeza
               das estações é o rei... e com louvor
               é o Verão a estação surpresa.







                                                                           12/01/1982


Meiguice







Hoje é um dia especial,                        
paira no ar uma magia.
Uma vontade... um desejo,
prazer, amor, alegria...






O sol acaricia minha pressa,                          
a brisa desmancha o meu medo,
a calma da manhã me traz sussurros,
de coisas tão gostosas... De segredos.
Sinto no ar, fascínio, lascividade.
Vou te matar, saudade  !!!



                                                                 11/01/1982        

Recado à alma.








Alma triste, alma chorosa,                                  
cala o pranto que derramas,
pois quem neste mundo não sabe,
o tanto quanto o amas ?









 Assim tão presa no tempo,                      
nas armadilhas em que entraste,
tu hoje vês com tristeza,
quanto... quanto te enganaste.








Mas é tarde, não há volta,                              
tens que seguir sempre em frente,
mesmo que aquele a quem amas,
esteja sempre ausente.




                                 Teu pranto lava a mágoa,                              
mas não apaga o futuro,
nem te esquece o passado,
tão gostoso e tão puro.









Alma triste e apaixonada,                                
que em dores, hoje explodes,
na solidão deste mundo,
viva enfim, enquanto podes.










                                                                            09/01/1982















Domingo.






Hoje é domingo, pé de cachimbo,        
eu fui à praia e como gostei !
Sol escaldante... água friinha,
me diverti, e como brinquei.





                   Fiquei vermelha, o corpo ardendo,  
                   ficou cor de rosa a pele morena.
                  Voltei cansada, de tanta praia,
                   mas sinceramente, valeu a pena !






Tô com saudade de tanto "praiar",          
domingo que vem, espero voltar.



                                                                       10/01/1982


Surpresa






É bom esperar o domingo
com vontade de estar,
com você a noite inteira,
pra te amar e te amar.

Mas a confusão do tempo,
faz-me lembrar de repente,
que é hoje o domingo,
e eu fico contente, contente...


                              03/01/1982

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Saudade antiga.










Ah, saudade matadeira,
saudade medianeira,
entre almas tão distantes.
Saudade que une os corpos
de tão vivos, quase mortos
de dois amados amantes.





                      
                       
                       

 Saudade que desperta doendo  
 meu coração que querendo
 procura no ar encontrar,
 um traço do rosto amado,
 um pouquinho do passado,
 que jamais pode voltar.










Saudade dor, amargura,
mágoa, pranto, desventura,
ah, saudade matadeira !
Que bom, quando chegas trazendo
quem a gente está querendo.
Ah, saudade passageira.








                             08/01/1982

Contraste no amor.



                                             




Se todas as manhãs fossem bonitas,
assim claras, ensolaradas,
não daríamos valor,
às manhãs que são nubladas.






                                  

                                        



 Seria indiferente
 a própria beleza.
 Não veríamos o sol
  com certeza.










                                   




Para que amemos o belo,                   é necessário por bem,
que além de tudo o que é belo,
exista o feio também.













                                      

Quando estás junto comigo
eu me sinto tão feliz
que o tempo passando veloz
é que cauteloso me diz,









                                 
                


que o tempo é o maior amigo,
da nossa felicidade,
pois o tempo te afasta
pra que eu sinta saudade.

          02/01/1982

Maria do Beco

                                                                                                 MARIA DO BECO       Conheci ...