domingo, 25 de maio de 2014

Saudade



Irmão,
Hoje o dia acordou com cara de passado,,
Uma chuvinha fina,, um vento gelado,,
Um cheiro forte de poeira  no meio do ar.
No chão molhado, cambaxirras fazem farra,
Pardais saltitam em louca algazarra,
E um solitário bem te vi passa a cantar.













                                                          
                                                       





Choram as árvores gotinhas transparentes,
Que ao refletir a luz se tornam reluzentes,
Desfazendo-se em brilho ao bater no chão.
Bailam as folhas na música do vento,
Enquanto as rolinhas buscam alimento,
Dançando ao som desta mesma canção..













Quebrando a solidão, crianças na calçada,
Não sentem frio e brincam animadas,
Numa confusão de vozes e intenso corre – corre.
Rodeiam exultantes um pequeno charco,
E dobram em papel, pequeno e frágil barco,
E o soltam na água que da poça escorre.




                                                                     
Minha alma  viaja naquele barquinho,
Tomada de incerteza,, em busca do caminho,
Que me transporte ao tempo de criança.
Nesta manhã tão fria, o passado tão distante,
Torna-se presente a partir do instante,
Que liberto na enxurrada o barco da lembrança.




Vejo ao passar as mais belas paisagens,
Que povoaram minha infância de imagens,
Que o medo do futuro não pode apagar.
Vivo o presente no mar dos  desenganos,,
Mas navegando imaginários oceanos,
Tenho tempo e liberdade pra lembrar.

                      
                            

                                                                           
                                25/05/2014                           
      

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Barco à deriva

                                                                                                          


                                                                                                                                                                    
                                                                                                         
 Barco à deriva, sem ter sul ou norte,                  
    Em cujo leme o desânimo repousa,
    Levado pelas ondas feito um joguete.
   Na solidão extrema que lembra a morte,
   No tombadilho só a escuma pousa,
  E o sal se sedimenta, formando um filete.
  


                          



O rijo casco debate-se na água,                
Que furiosa salta e invade a escotilha,
Se espalhando sem pressa, invadindo tudo.
Desprendendo em violência, dor e mágoa,
O seu recuo canta e tamborila,
No aposento caótico e mudo.

                                                           


                                                            No seu bailado frenético, o barco avança, 
 Impulsionado pelo vento impetuoso,
Contido pelo peso da armadura.
A vela inchada, estranhamente dança,
Num frenesi sofrido e doloroso,
E o seu pano, a solidão perfura.



O barco invade a bruma em peleja,                   
Sem ter no seu comando alma viva,
Brigando com as águas sem contê-las.                         
 Rompendo a escuridão, seu sulco relampeja,
Pequena réstia de luz que finaliza,
A escuridão da noite sem estrelas.

 












E segue sem rumo o barco abandonado,,
Sob a tormenta intensa e implacável,
Entregue ao impiedoso vendaval.
A estalar madeiras, ei-lo naufragado,
E enfim o mar, traiçoeiro e indomável,
Deixa que as águas voltem ao normal.










                                                                         16/05/2014


quarta-feira, 14 de maio de 2014

A borboleta


A borboleta voou...
Em seu vôo manso e solitário
Alcançou a imensidão,                                  
Levando em suas asas
A minha alegria.
Voou minha borboleta
Para um jardim maravilhoso,
Onde as flores tem mais néctar 
E onde o Grande Sol  transmite              
A verdadeira vida.
Eu desejei assistir o seu vôo à liberdade
Mas dessa vez,                                                                                            
Ela me enganou.
Tinha as asa quietas,
Olhar tranqüilo,
Dia a dia simples.
De repente... voou.
Não me deu tempo de retê-la,
Não me deu tempo de pedir.                                                                

Atraída pelo Sol. Grande Sol,
Minha borboleta voou,
E seu vôo é como o rolar do rio:
Não tem retorno.                                                   
Chorai flores da terra,
Chorai.
Nunca mais a borboleta
Pousará suave em suas pétalas.
Ó simples sol, chorai
Porque os olhos dela, quando se fecharam,
Contemplaram o Grande Sol.                                                  

Aqui tudo continua,
Como sempre.
Indiferentes, os elementos entoam
A melodia diária,
Mas eu bem sei,
Nunca mais os meus dias serão iguais.
Nunca mais minha vida será completa.
Minha borboleta voou...
Se deitou nos braços do infinito e partiu...
Partiu meu coração.                                   
                                                                                         

                                                     

                                                                             01.05.2000

                                    Para minha mãe, quando Deus a chamou. 

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Amor de mãe.





















   Existe um sentimento tão grande e tão bonito,     
Que encerra em si as dimensões do infinito,
Que com certeza é mais profundo que o mar.
Muito mais valioso que o ouro,
É comparável a um grande tesouro,
Cujo valor é impossível calcular.




                                      







   
                         É forte e resistente como o diamante,
                Como a pérola, perfeito e deslumbrante,
        Como o rubi, é belo, encantador.
               Da flor baldia, tem a simplicidade,
                   Mas como a rosa, emana majestade,
                     Feito os raios de sol, transmite seu calor.












                                                   


Presente em tudo, como o ar que respiramos,   
É na verdade a perfeição com que sonhamos,
Gravado em nossa alma como um camafeu.
Não há como ele, sentimento tão profundo,
Nada se lhe compara neste mundo.
Ele é o amor da mãe que Deus nos deu.

















                                                                        

                                          11/05/2014

Seja bem vindo.

                                                      Na trilha do sol, nas asas do vento,                      envolto em luz, o olh...