quarta-feira, 14 de maio de 2014

A borboleta


A borboleta voou...
Em seu vôo manso e solitário
Alcançou a imensidão,                                  
Levando em suas asas
A minha alegria.
Voou minha borboleta
Para um jardim maravilhoso,
Onde as flores tem mais néctar 
E onde o Grande Sol  transmite              
A verdadeira vida.
Eu desejei assistir o seu vôo à liberdade
Mas dessa vez,                                                                                            
Ela me enganou.
Tinha as asa quietas,
Olhar tranqüilo,
Dia a dia simples.
De repente... voou.
Não me deu tempo de retê-la,
Não me deu tempo de pedir.                                                                

Atraída pelo Sol. Grande Sol,
Minha borboleta voou,
E seu vôo é como o rolar do rio:
Não tem retorno.                                                   
Chorai flores da terra,
Chorai.
Nunca mais a borboleta
Pousará suave em suas pétalas.
Ó simples sol, chorai
Porque os olhos dela, quando se fecharam,
Contemplaram o Grande Sol.                                                  

Aqui tudo continua,
Como sempre.
Indiferentes, os elementos entoam
A melodia diária,
Mas eu bem sei,
Nunca mais os meus dias serão iguais.
Nunca mais minha vida será completa.
Minha borboleta voou...
Se deitou nos braços do infinito e partiu...
Partiu meu coração.                                   
                                                                                         

                                                     

                                                                             01.05.2000

                                    Para minha mãe, quando Deus a chamou. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Maria do Beco

                                                                                                 MARIA DO BECO       Conheci ...