sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O furto.

                                              
                                                               





              Saiu de casa para o trabalho atrasada, (culpa daquele vinhozinho tinto antes do jantar,ontem) e achou que o elevador estava demorando demais... Decididamente estava irritada. 
                                                     

          O ônibus,  que  demorou  também, parece que de propósito, só tinha um lugarzinho
vago. Era no canto, (ela não gostava) e do lado de um sujeito muito mal encarado. 
                                               

          Quando pediu licença para passar e se  sentar, ele a olhou  demoradamente  e com
cara  de  “poucos amigos”,  mas mesmo tendo dado só uma olhadela para o sujeito,  con-
seguiu vislumbrar por  detrás  daquela  fisionomia  sinistra,  alguma coisa  de ladino, cíni-
co e debochado.
                                                                 

          Sentou-se pouco à vontade e se encolheu toda,  enquanto o  “negão”,  diante do es-
paço, arreganhou-se ainda mais. Espalhou-se todo...
          __ “Não vou  olhar  p’rá cara dele.” ( Pensou,  e  se  virou  p’rá  janela  disposta  a es-
quecer  do  lado  de  quem  ela estava. ) “Deviam proibir essa gente de circular no meio da
rua. Ainda mais a essa hora !”
          Decididamente estava irritada !
                                              

          Parece  que,   adivinhando  sua  irritação,  o sujeito  danou  a  se  mexer e a encostar
nela   sem  o  menor  constrangimento.   Coçava  a  cabeça,  a  nuca,  o  sovaco.  Mexia  na
mochila, coçava o  joelho, amarrava o cadarço do tênis sujo e fedorento.
          Queria   sair  dali   mas  não  vagava  outro  lugar  e  alguns  passageiros  já  estavam
em pé.  Nem tão cedo ia conseguir trocar de lugar.
                                                   

          E  haja  o “negão”  se  espalhar,  e  se  encostar,  e  roçar,  e  apertar  nossa mocinha
(que já não era tão moça assim), irritando-a mais ainda.
          __ “E esse ônibus que não chega nunca !”
          Olhou para o relógio de pulso, que não estava no seu pulso. Que susto !!!
                                                          

          __ “Caramba,  esse  filho  da  p...  me  roubou !!!  Por  isso  estava  se  mexendo  tan-
to! Canalha ! Tirou meu relógio na cara de pau ! Ah, mas isso não fica assim não !”
          Começou  a  remexer  na  bolsa  procurando  uma  coisa  qualquer com que pudesse
agredir  aquele  safado.  Achou  a  escova  de  cabelo.
                         
                         Ia adiantar muito...
                         Ah!  Teve  uma excelente  idéia !   Abriu  bem  bolsa  e deixou aberta no colo. 
 Pegou a escova  pelas cerdas  e  enfiou  embaixo  da  blusa.  Encostou  o  cabo  comprido  na costela do sujeito e olhando bem para aquela cara feia falou baixinho, só p’rá ele ouvir:

                                                           

          __ “Crioulo  safado,  olha  só  o que está  encostado em você... Ta vendo minha bolsa
aberta ?  Pois é,  coloca  agora  o  relógio  nela, ou você vai se arrepender ! Você não sabe quem eu sou e pode acreditar, vai ficar ruim p’rá você se não me obedecer. Agora !!!”
          O  “negão”  “branquelou”  na hora !  Ficou  cinza,  roxo,  manchado...  E   ela  ouviu  o
barulho que o relógio fez ao cair dentro da bolsa.
          __ “Menos mal !”
                                              

          O  “cara pálida”  na  mesma  hora  se  levantou  e puxou a cigarra solicitando parada
e  desceu  do  ônibus  como  “diabo correndo da cruz”;  e  ela  dois  pontos adiante desceu
também...  Não  dava  mais  para  ir  trabalhar,  tinha  as  pernas  tremulas e um grande de-
sânimo. Melhor voltar p”rá casa, tomar um calmante e descansar durante o resto do dia.
                                                     

          Apanhou o ônibus voltando, e aliviada chegou em casa.
          Sua filha assustou-se quando ela entrou em casa:
          ___ Mãe, o que houve ?
          ___ Minha  filha,  você  nem  imagina. Estou assustada até agora. Um “negão”safado roubou meu relógio...
          ___ Mãe,  que  relógio ?  Por  acaso  é  aquele ali do lado da tv, que você, na sua pres-
sa nem colocou ???
                                                   

          O quê ???  Abriu  a  bolsa  rápidamente,  jogou  todo  conteúdo  em  cima do sofá e lá
estava:  um  relógio  modesto, ( de pobre ), com  a correia surrada,  vidro arranhado...  mas-
culino !!!

                                                     



                                   Escutei essa história e achei muito interessante. Resolvi escrever do
meu jeito. Espero que agrade.

                                               13.09.2013
                     


                                

                                                 
         




sábado, 7 de setembro de 2013

HOMENAGEM A UMA SANTA




Mulher bem nascida
por mãos de parteira.
Sua mãe mal falada
mas grande guerreira.
Em Manhuaçu,
quem não conheceu
a Dona Manega
que a concebeu ?




                                                     Mas ela Neném... moça casadoura,
                                                      prendada, bonita... Tesouro de rei.
No meio de todas, Filhas de Maria
tão pura, bonita, não houve bem sei.

Corria nas ruas, alegre, serena,
brincava de roda, cantava contente.                                  
Cabelos ao vento, vestido de chita,
morena sestrosa... mineira valente.


Em toda sua vida, não houve capricho,
e um pranto somente de desilusão.
Ninguém conhecia os seus sentimentos
e José foi o dono do seu coração.

Foi mãe doze vezes, de doze docinhos.
Chorou por seis vezes. Seus seis enterrou.
Não teve momentos de amarga revolta,
olhou firme a vida e a sorte encarou.



                                                            


                                                        Ah! Nenê !!!  Ah, Doró !                                                                  
Seus filhos descalços
causavam dó.
Sua pobreza sentada
no banco da matriz.
sua sorte madastra
enxergar ninguém quis.

Ah! Doró !  Ah, Nenê !
Seus olhos tão tristes,
quem vê ?
Mulher de guerra,
de pedra, de terra:
                                                             você !!!

Quanto apanhar água.
Quanto lavar roupa.
Quanto sem comer.
Quanto pranto vertido
no  silêncio, escondido,
em seu viver.



Ah ! Doró !  Ah, Nenê !                              
Quanto carregar criança
sem ter esperança
para o hospital.
Quanto andar à pé
levando só a fé
fugindo em vão, do mal.


                    








Sua carne na terra,                                    
caiu e brotou.
Em solo mineiro
esperança plantou.
Seu filho mais velho
o NAMORADOR
tinha olhar de água,
a muitas encantou,
mas foi por Marlene
que se apaixonou.
   








                                                              
Depois dele a BELA   
com seu jeito sedutor.
Linda em todos os sentidos
como a visão de uma flor.
Sua candura cativava,
sua voz inebriava,
embalando em cantigas,
sua busca por amor.















A seguir o MARINHEIRO                       
caprichoso, inteligente.
Sonhava com o sacerdócio
e ajudar os carentes.
Sua esperança foi cortada
pela vida devorada.
E não podendo sonhar,
se entregou para o mar.













E então a SONHADORA
que queria ser artista
sem ter coragem ou força
para buscar a conquista,
com o passar de anos iguais
o seu sonho se perdeu.
ficou somente a saudade.
A sonhadora, sou eu.














Depois tem o DANÇARINO                                
charmoso e muito educado.
Sempre de bem com a vida
esperto e muito ligado.
Viveu com a Black Machine
o seu período dourado,
fez da sua realidade
algo p’rá ser recordado.







E aí tinha o MENOR                                                      
que com o dançarino fez par.
O safadinho ouriçava
as garotas do lugar.
Doró se preocupava
sentia perigo no ar,
mas o menor na verdade,
só queria namorar.

















                       Família grande no Rio.
                              Moças levadas,
                                    rapazes no cio
                                  marido na rua
                                humilde mulher...
                            Verdade nua.








Você e o céu.
Você e a solidão.                                              
Você guerreira.
Você canção.
Você exemplo.
Você comunhão.
Você meu pranto
e meu coração.






Saudade que fica,                                                               vontade infeliz.
Remorso doendo, 
pelo que eu não fiz.
Beijar seus brancos cabelos,
chorar sobre sua mão.
Sentar ao seu lado,
lhe dar atenção.
Contigo plantar um jardim
esperar a flor nascer.
 Lutar pela vida ao seu lado.
       Lutar. Lutar e vencer.
                 E mesmo a morte ganhando
                           exclamar sem agonia                        
                   pra nunca me arrepender:
__ Eu fiz tudo o que devia ...
(Isto eu não posso dizer.)




Eu choro ao te lembrar querida.
Santa !!!  Santa da minha vida.


                                            Janeiro de 2004.




Há dias em que a solidão e a saudade de nossos queridos é quase insuportável.


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

MIMO

                          


Contagiante alegria à sua volta,
como a aura de luz que envolve os santos.
Seu riso aberto, sempre que se solta,
me envolve em sonhos, esperança e canto.

Você pequeno é grande no meu peito,
e completamente me domina e angustia,
pois eu me pergunto sempre a seu respeito,
do seu futuro, sua vida e seus dias.






De mim nasceu ó ser tão meigo e belo,         
que ao meu lado caminha sem receio.
Vou te guiando para os sonhos que anelo,
te conhecendo como os livros que folheio.

Se eu pudesse pediria aos céus
afagando de leve seus cabelos lisos,
que velasse sua infância com etéreos véus,
e que nunca se apagasse o seu sorriso.













Mimo, Mimimo, anjo desta casa,
pedacinho do céu na terra,
quando mais tarde abrir as suas asas,
nunca se esqueça que mamãe te espera.










                                                                         













                              07.01.1981


                                                 



Escrita por uma mulher mal saída da infância, mas já sem esperanças e totalmente venci -da pela vida. Meus filhos, minha única alegria e depositários de todo o meu amor.
Errei muito, bem sei. Permiti que vocês sofressem não tendo forças para defendê-los, mas saibam que não havia sofrimento maior que o meu. 
Fraca, sem apoio, covarde, tentei  dar a vocês o que eu tinha de melhor: o tesouro do meu amor guardado no fundo do minha alma.

Não há como separar o sentimento que tenho por vocês porque ele forma um todo. 

FLÁVIO



                                                                                         

                                                                           





Falar de ti meu filho, me anima,
mas sinto na alma uma grande aflição,
pois apesar deste amor que nos domina,
nem sempre estarei te dando a mão.

Me preocupa saber-te tão tristonho,
apesar da proteção do meu amor.
Este seu ar zangado e enfadonho
a ti não poderá livrar da dor.







Miro teu rosto sério e indagante,
e sou feliz em ter-te junto a mim,
se eu pudesse meu doce e caro infante,
manter-te-ia para sempre assim.

Mas o mundo aguarda ansioso
para envolver-te em sonho e descoberta,
mas se permaneces assim tão amoroso
eu estarei também constantemente alerta.














Chamei-te Flávio na Pia Batismal
e és para mim um bem mais que querido.
Lembre-se, meu doce, de evitar o mal
meu filho, minha vida, meu amigo !!!



                                         





                                                07.01.1981

                                          

Escrita por uma mulher mal saída da infância, mas já sem esperanças e totalmente vencida pela vida. Meus filhos, minha única alegria e depositários de todo o meu amor.
Errei muito, bem sei. Permiti que vocês sofressem não tendo forças para defendê-los, mas saibam que não havia sofrimento maior que o meu. Fraca, sem apoio, covarde, tentei dar a vocês o que eu tinha de melhor: o tesouro do meu amor guardado no fundo do minha alma.
Não há como separar o sentimento que tenho por vocês porque ele forma um todo.


                



                                      07.01.1981












                                                                     

domingo, 1 de setembro de 2013

DE AVÓ PARA NETO



Sabe neto lindo a história do passarinho
que pulou do ninho sem saber voar ???
Ah , quanto terror sentiu, quando caiu
sem parar.
Pôs-se a trinar desesperado , sentiu-se machucado
mas queria viver.
Cadê mamãe passarinho p’rá acudir o filhotinho
e o proteger ?
                                                                                   
Mas veio a mão do homem, envolveu o bichinho;
trouxe uma bela gaiola e ali o prendeu.
Ele tão pequeno, triste e  indefeso
sentindo-se preso
tremeu.
E então queridinho, o homem malvado , sentiu-se contente.
Aquele bichinho com toda certeza seria o presente
que seu neto lindo, ainda no domingo pediu.
Pedidos não ouviu...
Só riu.















                                                     
                                  













Mas o passarinho, tão apavorado sem poder voar
ficou bem quietinho, com fome tadinho
porque não sabia se alimentar.
A sua mãezinha, valente avezinha, sem nada temer
trazia bichinhos que o  seu filhotinho
não  conseguia comer.




A noite de inverno abriu sua bocarra negra num instante
e bafejou preguiçosa, nas asinhas frágeis, um frio  cortante.
Seu longo braço estendeu-se num abraço longo e dolorido,
e apertava tanto o filhotinho tão sofrido,
que quando o dia  amanheceu e o sol chegou,
ele já não tinha mais forças para se aquecer.
E por mais que o calor tentasse animar o passarinho
se entranhando por todo o seu corpinho
ele se entregou pra morrer.







Imagina meu amor, se um dia, Deus nos livre!,
alguém tirasse você da sua mãe do seu paizinho,
te colocasse preso, longe do carinho
só porque tu és assim tão lindo e cativante.
Que seria de nós que te amamos tanto, tanto ?
Que seria de ti meu bem, diante da maldade
sem poder viver com plena liberdade
com fome e frio chorando a todo instante ?



Por isso amado meu, saiba sempre a vida respeitar
pois ela é um dom que só Deus Pai pode legar,
e preservá-la é nosso dever.
Exija a liberdade. Respeite a natureza.
Nunca aprisione a beleza.
Jamais tire de alguém o que não podes dar.

                      






                                                       01.09.2013






Seja bem vindo.

                                                      Na trilha do sol, nas asas do vento,                      envolto em luz, o olh...