sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O furto.

                                              
                                                               





              Saiu de casa para o trabalho atrasada, (culpa daquele vinhozinho tinto antes do jantar,ontem) e achou que o elevador estava demorando demais... Decididamente estava irritada. 
                                                     

          O ônibus,  que  demorou  também, parece que de propósito, só tinha um lugarzinho
vago. Era no canto, (ela não gostava) e do lado de um sujeito muito mal encarado. 
                                               

          Quando pediu licença para passar e se  sentar, ele a olhou  demoradamente  e com
cara  de  “poucos amigos”,  mas mesmo tendo dado só uma olhadela para o sujeito,  con-
seguiu vislumbrar por  detrás  daquela  fisionomia  sinistra,  alguma coisa  de ladino, cíni-
co e debochado.
                                                                 

          Sentou-se pouco à vontade e se encolheu toda,  enquanto o  “negão”,  diante do es-
paço, arreganhou-se ainda mais. Espalhou-se todo...
          __ “Não vou  olhar  p’rá cara dele.” ( Pensou,  e  se  virou  p’rá  janela  disposta  a es-
quecer  do  lado  de  quem  ela estava. ) “Deviam proibir essa gente de circular no meio da
rua. Ainda mais a essa hora !”
          Decididamente estava irritada !
                                              

          Parece  que,   adivinhando  sua  irritação,  o sujeito  danou  a  se  mexer e a encostar
nela   sem  o  menor  constrangimento.   Coçava  a  cabeça,  a  nuca,  o  sovaco.  Mexia  na
mochila, coçava o  joelho, amarrava o cadarço do tênis sujo e fedorento.
          Queria   sair  dali   mas  não  vagava  outro  lugar  e  alguns  passageiros  já  estavam
em pé.  Nem tão cedo ia conseguir trocar de lugar.
                                                   

          E  haja  o “negão”  se  espalhar,  e  se  encostar,  e  roçar,  e  apertar  nossa mocinha
(que já não era tão moça assim), irritando-a mais ainda.
          __ “E esse ônibus que não chega nunca !”
          Olhou para o relógio de pulso, que não estava no seu pulso. Que susto !!!
                                                          

          __ “Caramba,  esse  filho  da  p...  me  roubou !!!  Por  isso  estava  se  mexendo  tan-
to! Canalha ! Tirou meu relógio na cara de pau ! Ah, mas isso não fica assim não !”
          Começou  a  remexer  na  bolsa  procurando  uma  coisa  qualquer com que pudesse
agredir  aquele  safado.  Achou  a  escova  de  cabelo.
                         
                         Ia adiantar muito...
                         Ah!  Teve  uma excelente  idéia !   Abriu  bem  bolsa  e deixou aberta no colo. 
 Pegou a escova  pelas cerdas  e  enfiou  embaixo  da  blusa.  Encostou  o  cabo  comprido  na costela do sujeito e olhando bem para aquela cara feia falou baixinho, só p’rá ele ouvir:

                                                           

          __ “Crioulo  safado,  olha  só  o que está  encostado em você... Ta vendo minha bolsa
aberta ?  Pois é,  coloca  agora  o  relógio  nela, ou você vai se arrepender ! Você não sabe quem eu sou e pode acreditar, vai ficar ruim p’rá você se não me obedecer. Agora !!!”
          O  “negão”  “branquelou”  na hora !  Ficou  cinza,  roxo,  manchado...  E   ela  ouviu  o
barulho que o relógio fez ao cair dentro da bolsa.
          __ “Menos mal !”
                                              

          O  “cara pálida”  na  mesma  hora  se  levantou  e puxou a cigarra solicitando parada
e  desceu  do  ônibus  como  “diabo correndo da cruz”;  e  ela  dois  pontos adiante desceu
também...  Não  dava  mais  para  ir  trabalhar,  tinha  as  pernas  tremulas e um grande de-
sânimo. Melhor voltar p”rá casa, tomar um calmante e descansar durante o resto do dia.
                                                     

          Apanhou o ônibus voltando, e aliviada chegou em casa.
          Sua filha assustou-se quando ela entrou em casa:
          ___ Mãe, o que houve ?
          ___ Minha  filha,  você  nem  imagina. Estou assustada até agora. Um “negão”safado roubou meu relógio...
          ___ Mãe,  que  relógio ?  Por  acaso  é  aquele ali do lado da tv, que você, na sua pres-
sa nem colocou ???
                                                   

          O quê ???  Abriu  a  bolsa  rápidamente,  jogou  todo  conteúdo  em  cima do sofá e lá
estava:  um  relógio  modesto, ( de pobre ), com  a correia surrada,  vidro arranhado...  mas-
culino !!!

                                                     



                                   Escutei essa história e achei muito interessante. Resolvi escrever do
meu jeito. Espero que agrade.

                                               13.09.2013
                     


                                

                                                 
         




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Maria do Beco

                                                                                                 MARIA DO BECO       Conheci ...