sábado, 7 de setembro de 2013

HOMENAGEM A UMA SANTA




Mulher bem nascida
por mãos de parteira.
Sua mãe mal falada
mas grande guerreira.
Em Manhuaçu,
quem não conheceu
a Dona Manega
que a concebeu ?




                                                     Mas ela Neném... moça casadoura,
                                                      prendada, bonita... Tesouro de rei.
No meio de todas, Filhas de Maria
tão pura, bonita, não houve bem sei.

Corria nas ruas, alegre, serena,
brincava de roda, cantava contente.                                  
Cabelos ao vento, vestido de chita,
morena sestrosa... mineira valente.


Em toda sua vida, não houve capricho,
e um pranto somente de desilusão.
Ninguém conhecia os seus sentimentos
e José foi o dono do seu coração.

Foi mãe doze vezes, de doze docinhos.
Chorou por seis vezes. Seus seis enterrou.
Não teve momentos de amarga revolta,
olhou firme a vida e a sorte encarou.



                                                            


                                                        Ah! Nenê !!!  Ah, Doró !                                                                  
Seus filhos descalços
causavam dó.
Sua pobreza sentada
no banco da matriz.
sua sorte madastra
enxergar ninguém quis.

Ah! Doró !  Ah, Nenê !
Seus olhos tão tristes,
quem vê ?
Mulher de guerra,
de pedra, de terra:
                                                             você !!!

Quanto apanhar água.
Quanto lavar roupa.
Quanto sem comer.
Quanto pranto vertido
no  silêncio, escondido,
em seu viver.



Ah ! Doró !  Ah, Nenê !                              
Quanto carregar criança
sem ter esperança
para o hospital.
Quanto andar à pé
levando só a fé
fugindo em vão, do mal.


                    








Sua carne na terra,                                    
caiu e brotou.
Em solo mineiro
esperança plantou.
Seu filho mais velho
o NAMORADOR
tinha olhar de água,
a muitas encantou,
mas foi por Marlene
que se apaixonou.
   








                                                              
Depois dele a BELA   
com seu jeito sedutor.
Linda em todos os sentidos
como a visão de uma flor.
Sua candura cativava,
sua voz inebriava,
embalando em cantigas,
sua busca por amor.















A seguir o MARINHEIRO                       
caprichoso, inteligente.
Sonhava com o sacerdócio
e ajudar os carentes.
Sua esperança foi cortada
pela vida devorada.
E não podendo sonhar,
se entregou para o mar.













E então a SONHADORA
que queria ser artista
sem ter coragem ou força
para buscar a conquista,
com o passar de anos iguais
o seu sonho se perdeu.
ficou somente a saudade.
A sonhadora, sou eu.














Depois tem o DANÇARINO                                
charmoso e muito educado.
Sempre de bem com a vida
esperto e muito ligado.
Viveu com a Black Machine
o seu período dourado,
fez da sua realidade
algo p’rá ser recordado.







E aí tinha o MENOR                                                      
que com o dançarino fez par.
O safadinho ouriçava
as garotas do lugar.
Doró se preocupava
sentia perigo no ar,
mas o menor na verdade,
só queria namorar.

















                       Família grande no Rio.
                              Moças levadas,
                                    rapazes no cio
                                  marido na rua
                                humilde mulher...
                            Verdade nua.








Você e o céu.
Você e a solidão.                                              
Você guerreira.
Você canção.
Você exemplo.
Você comunhão.
Você meu pranto
e meu coração.






Saudade que fica,                                                               vontade infeliz.
Remorso doendo, 
pelo que eu não fiz.
Beijar seus brancos cabelos,
chorar sobre sua mão.
Sentar ao seu lado,
lhe dar atenção.
Contigo plantar um jardim
esperar a flor nascer.
 Lutar pela vida ao seu lado.
       Lutar. Lutar e vencer.
                 E mesmo a morte ganhando
                           exclamar sem agonia                        
                   pra nunca me arrepender:
__ Eu fiz tudo o que devia ...
(Isto eu não posso dizer.)




Eu choro ao te lembrar querida.
Santa !!!  Santa da minha vida.


                                            Janeiro de 2004.




Há dias em que a solidão e a saudade de nossos queridos é quase insuportável.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo.

                                                      Na trilha do sol, nas asas do vento,                      envolto em luz, o olh...