sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Trabalho de escola.

TEMA: Como o professor pode colaborar para o desenvolvimento   
      psicomotor das crianças desde o inicio de sua vida escolar.


            


          Nosso século veio nos atingir com um “tsunami” de desenvolvimento.
        Em todas as áreas, que de alguma forma influenciam o ser humano, a tecnologia hoje ocupa  espaços reais e projetos, criando e transformando a vida mental e social de todos.
        A sociedade, como um todo, mergulhada em inventos, experimentos, estudos, conclusões e confusões, transforma-se para atender aos ( ou ser atendida pelos ) apelos irresistíveis de  uma forma de vida mais comunicativa e facilitada.
        Somos frutos do meio e nossas crianças, “ ainda verdes “, no centro de tantas mudanças, abertas a todo tipo de informação, entregam-se sem medo à novas regras, atitudes e hábitos ; sem condições, em razão da inexperiência, de identificarem o 
útil e o pernicioso. O resultado dessa situação, são jovens aparentemente desanimados, em universos particulares, longe do infinito de possibilidades que a liberdade acarreta.
        O professor tem papel  fundamental na formação desses jovens, logo no início de sua vida escolar. Para tanto, é necessário que traga para dentro  de sua própria vida o movimento e a alegria, evitando a apatia e o negativismo. A partir daí, surgirão idéias e argumentos para resgatar o aluno preso no “local onde não dá trabalho a ninguém” e trazê-lo para o patamar onde  possa sentir e aproveitar o seu  próprio espaço.
        Para transformar a realidade onde a psicomotricidade tem papel secundário, o educador deve:  usar brincadeiras que exijam a participação de toda a turma, incentivar atividades em que se associe música à  expressão corporal, criar atuações teatrais utilizando temas modernos onde poderá trabalhar a língua portuguesa, conhecimentos gerais e até, com criatividade, a matemática; chamar a atenção do aluno para os problemas ambientais com a observação da fauna e flora ao redor (mesmo que pobre), utilizar jogos e brincadeiras que exercitem o corpo e tragam prazer.
        Não é preciso retornar ao passado, e isso nem é possível, mas a criança, que tem energia em demasia, certamente se sentirá viva  e convivendo com outros seres vivos, pelo menos no período em que está na escola.
        Os sinais de que eles precisam muito da  convivência, do toque e das emoções, nos são passados a todo instante durante o recreio, às refeições, dentro da sala com sua “inquietude perturbante”, seus “agarra-agarra”, seus gritos “estridentes”, seus olhares 
e seus sorrisos.
        É preciso que desviemos os olhos de nossos “celulares” e olhemos diretamente para eles. Só assim, as dificuldades desaparecerão e teremos uma nova realidade: crianças ativas e altivas !!!





                                    11/11/2016









         

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Maria do Beco

                                                                                                 MARIA DO BECO       Conheci ...