terça-feira, 24 de março de 2015

Homenagem



                                         Rita de Cássia
Colega do coração...


     Normalmente quando chegamos ao fim de uma jornada, olhamos para trás e concluímos que o tempo passou rápido demais, que nem foi tão ruim como a gente achou, que começaríamos tudo de novo se fosse preciso e que talvez fizéssemos tudo igualzinho...
     Passo a passo você venceu todas as etapas que se apresentaram e hoje despede-se vitoriosa porque chegar até onde você chegou, não é pra qualquer um não, hem ?
     Durante todos esses anos, quantas pessoas você viu chegar... de quantas você se despediu, quantas partiram para o lado de lá. Um monte foi e voltou e tornou a ir...  Você foi ficando. Pedaço desta escola, que cada vez mais foi se fixando e se tornando parte do todo.
     Quantas histórias você conheceu. Quantas vezes sua extrema generosidade te levou a estender a mão, a perdoar. Quantos amigos você fez !
     Sempre muito reservada, você soube ouvir opiniões, respeitar os colegas e valorizar o trabalho alheio.
     Aqui você chegou quase menina, e foi se transformando junto com a escola. Vieram os filhos, os planos, as realizações enquanto os alunos também cresceram, se casaram, tiveram filhos, e estes filhos vieram encontrar seu calmo sorriso, sua maneira única de resolver as questões e seu profissionalismo. Três gerações de crianças que hoje tem uma realidade diferente mas que nem por isso são menos crianças.
     É Rita, aqui você plantou a semente, regada com o suor do seu trabalho que resultou nesta tranqüilidade de saber que seu dever foi cumprido e que você merece agora aproveitar um pouco do que plantou.
     De tudo que você nos ensinou nada se perde ou se perdeu já que a experiência é o fator mais importante no trabalho que realizamos por tantos e tantos anos. Acho que trocamos conhecimentos, somamos energia e multiplicamos a amizade. Os anos foram nossos aliados na nossa sofrida, porém divertida, função.
     A vida é como um rio arrastando as pedras das margens com sua força. Cada uma de nós chegou trazida de algum lugar desconhecido. O rolar da correnteza permitiu-nos ficar algum tempo juntas. Mas agora por um capricho do destino, somos novamente jogadas no turbilhão e rolaremos ao sabor das águas para um novo lugar. Mas nada mais é como antes. Nós não somos mais as mesmas porque cada uma leva no próprio coração um pouquinho das outras para sempre.
     O que resta desta proveitosa experiência é a saudade... as imagens vão então alimentar o olhar...

                                                           Tudo de bom !!!













17/03/2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Maria do Beco

                                                                                                 MARIA DO BECO       Conheci ...