quarta-feira, 11 de março de 2015

Conto de meninas








                                                                  O balanço oscila,   
Brincando no compasso da menina,
                Que alegre solta a voz tão cristalina,
A entoar cantigas variadas.
               No audaz impulso que congela o coração,
Os pés descalços furam nuvens de algodão,
                       E a cada volta as emoções são renovadas.




Duas amigas,                                                                          
Que se revezam no dorso da esperança,         
A flutuar em meio à brisa mansa,
Olhos perdidos na linha do horizonte.
Do alto enxergam um mundo encantado,
Onde fadas passeiam num bosque iluminado,
E faunos barulhentos traquinam a todo instante.











  




                                                                            
Belas princesas,                                                        
Voando sobre cem mil borboletas,
Colhendo luzes nas caudas dos cometas,
E espalhando o pó brilhante pelo ar.
Ao mergulhar nas águas claras da cascata,
Lançam a magia da aurora sobre a mata,
E as árvores felizes começam a dançar.




                             Cantam mais alto,                                               
E flores aladas aos poucos vão subindo,
Peixes dourados na tona vão surgindo,
E o som da água vira bela melodia.
Por todo lado, surgem anjos curiosos,
Porque todos os seres da mata, ruidosos,
Querem com elas compor a sinfonia.





                                                                        
Cabelos ao vento,                                                        
 Enroscam-se nas pontas das estrelas,       
Pequenos elfos vêm para socorrê-las,
Tão desastrados que se enroscam também.
A lua nasce, redonda, engalanada,
E explode em ruidosa gargalhada,
Diante deste atrapalhado vai e vem.












                                                        
















A noite chega,
E a imaginação insiste e perdura,
Porque ela é eterna enquanto dura,
Enquanto o pendular da vida nos sufoca.
A inocência abre as portas da pureza,
E a celebrar a amizade, com certeza,
Transforma em sonho tudo o que toca.













  A árvore amiga,
  Em cuja sombra brincar é tão gostoso,
Empresta o braço forte e vigoroso,
Pra sustentar a ilusória carruagem.
Ela transforma o sonho e a vontade,
Em uma linda e imaginária realidade,
Ao fim de uma fantástica viagem !!!









            Uma homenagem para minha amiga de infância Ruth Pereira.


09/03/2015















































Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo.

                                                      Na trilha do sol, nas asas do vento,                      envolto em luz, o olh...